as notícias e a opinião dos colunistas sobre o mercado sertanejo
Sertanejo News

Wesley Safadão, Mano Walter, Gabriel Diniz, Jonas Esticado – O forró chegando no centro do Brasil

Destaques Notícias 17 de janeiro de 2019

Wesley Safadão, Mano Walter, Gabriel Diniz, Jonas Esticado – O forró chegando no centro do Brasil

Aos poucos o forró nordestino começa a tornar-se amplamente comercial em outras regiões do Brasil que não sejam na parte de cima do nosso mapa.

Notaram que hoje já são realidade nacional artistas que surgiram no forró e que estão entrando com força em outros centros como Wesley Safadão (que o enorme sucesso é reconhecidamente uma dos maiores nomes da nossa música hoje), tanto na parte artística como na parte financeira, aonde o Safadão aparece os números crescem em velocidade máxima.
Falar de Wesley Safadão no cenário da música atualmente é a mesma coisa que chover no molhado.

E agora estamos vendo chegar Mano Walter, Gabriel Diniz e Jonas Esticado, cada qual com a sua própria identidade artística e trazendo um forró renovado musicalmente para os demais estados. O sotaque dos cantores são característicos não só na forma de se expressarem como na interpretação das músicas.

Gabriel Diniz é o artista com maior exposição atualmente com o sucesso de “Jenifer”, a música tomou o país e o cantor não é mais visto como aquele um que tinha as roupas mais estranhas do forró, quase que remetendo ao humorista cearense Falcão e seu conhecidíssimo girassol no paletó.
Hoje Gabriel é mais respeitado como artista em todo o Brasil e também está em um dos grandes escritórios artísticos do Nordeste, o mesmo de Wesley Safadão.
Assim podemos ver que Gabriel Diniz está projetando a sua carreira como poucos, todos sabem que Safadão não é só um artista, mas empresário e também estrategista de sua carreira. Será que ele vai levar isso também para Gabriel Diniz?

A energia dos shows saem da linha romântica para batidas e instrumentos que jogam os arranjos musicais para que o público dance e não consiga ficar parado. Realmente o público do centro oeste e sul do país não tem mais rejeição para esse som que no Nordeste é a essência de todo um povo.

Mano Walter começou a mostrar as caras com o sucesso “Não Deixo Não” que ele tinha a exclusividade de trabalhar a música em todo o nordeste, e no restante do país a música ficou com Edson e Hudson.
Mas como todo o investimento financeiro não teria muita estratégia em dividir o orçamento de uma música com outro artista, o “Vaqueiro” concentrou seus esforços em outras faixas do seu DVD e ainda de quebra convidou algumas participações especiais de nomes com ótimo mercado no centro sul como “César Menotti e Fabiano”, “Maiara e Maraísa” e outros.

Foi aí que Mano Walter cravou seus pés em uma região com enorme potencial financeiro.

Entre várias estratégias de inclusão desses nomes nos estados que pouco tocava o forró nordestino foram criados os eventos “Garota Vip” pela equipe do Wesley Safadão e em várias edições do Villamix que já andava por todo o Brasil a presença de Jonas Esticado tornou-se mais frequente.

O sertanejo ainda era o estilo musical que dava mais lucro, a música eletrônica com Alok, Jet Lag, Vintage Culture, Dennis DJ estava se consolidando e misturando-se nos eventos grandes trazendo consigo Anitta, Ludmilla e os Mc’s com o funk ostentação de Guimê, Kevinho e outros tantos fazendo com que o funk tomasse espaço e chegasse como o 2° estilo lucrativo da música nessas regiões.

Agora o funk começa a perder as forças para dar espaço ao forró nordestino e o pagodinho depois que chegou Ferrugem, um dos que mais mostraram um som diferente e o Atitude 67.

E assim podemos definir toda a versatilidade de sons, culturas e tudo mais que o nosso Brasil pode oferecer na música.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *