as notícias e a opinião dos colunistas sobre o mercado sertanejo
Sertanejo News

4 dicas essenciais para compositores se profissionalizarem

João Gabriel 15 de janeiro de 2019

4 dicas essenciais para compositores se profissionalizarem

Fala galera, tudo bem?

Não existe música sem o processo de composição. E é aí que entra a figura do compositor, para estudar um tema, pensar na letra, na melodia, naquela combinação harmônica que vai gerar o que chamamos de música. Toda a base da cadeia musical está na composição. Se você já é um profissional da composição ou está pensando em se tornar um, precisa saber que existem inúmeras dificuldades durante a caminhada. A seguir confira algumas dicas que podem te ajudar nessa jornada. 

 

1 – Tenha uma rotina de composição

Basicamente, tudo que fazemos frequentemente é porque se tornou um hábito e entrou na nossa rotina. Você só consegue acordar todo dia no mesmo horário pra ir trabalhar porque tornou isso um hábito.

O mesmo vale para você que quer ser um compositor profissional. Estabeleça uma rotina de composição. Determine uma certa hora do dia e da semana pra se dedicar exclusivamente a escrever novas músicas. Estabeleça também quantas músicas novas você quer compor por mês, semana ou dia.

Para te ajudar nisso, defina claramente os seus objetivos, use aplicativos que possam te ajudar a organizar sua vida e garantir que você aprimore cada dia mais sua arte.

 

2 – Filie-se a uma associação de gestão coletiva de direitos autorais

Se você quer viver de música, como um compositor profissional, um dos primeiros passos é estar filiado a uma das associações de gestão coletiva musical que administram e controlam o ECAD. Somente através de uma associação é que você terá o controle de suas obras no banco de dados do ECAD e, assim, passar a receber os direitos autorais de execução pública de suas composições.

Escolha uma entre as sete associações autorizadas pelo ECAD e, depois, solicite o suporte dela para que você possa ser orientado toda vez que tem uma obra gravada por algum artista.

Depois de sua música ter sido comercializada, é hora de começar a ouvi-la em todos os lugares e, claro, ganhar por essas execuções. Pra isso é necessário estar registrado como compositor no código ISRC da obra. Você pode entender um pouco mais no post anterior.

 

Filiar-se a uma associação é importante justamente para que você tenha o apoio e suporte nestas questões mais burocráticas do registro fonográfico e da monetização através do ECAD.

 

3 – Registre suas músicas

Música pronta? É hora de registrar. Antes mesmo de mostrar pra todo mundo, de postar nas redes sociais, faça o registro dela. Não dê mole para o azar. Tome cuidado ao divulgar seu trabalho, pois se alguém copiar o que você fez e registrar primeiro, você perde todos os direitos. Claro que sempre dá pra tentar reivindicar a autoria na justiça. Mas a dor de cabeça é garantida.

Portanto, o primeiro passo pode ser registrar letra e partitura em um cartório. É simples e rápido. Como se fosse registrar um documento qualquer. Depois é importante enviar sua música também para ser registrada na Biblioteca Nacional. Com o registro você garante que sua obra estará segura em todo o território nacional.

Existem também alguns sites pela internet que garantem que sua música será registrada preservando seus direitos. Você pode fazer uma pesquisa online e registrar naquele que achar mais confiável.

 

4 – Comercialize suas músicas

Com as músicas prontas, escritas e registradas, chegou a hora de colocar ela na boca do povo. Pra isso você precisa que alguém cante este novo sucesso. Pra vender suas composições para cantores é importante gravar uma guia, com uma boa execução da música para que produtores musicais e artistas possam ouvir com clareza sua obra. Uma simples gravação com voz e violão já dá conta do recado e deve ajudar no processo de decisão.

Não esqueça de que esta “demo” deve conter o nome da música e o nome dos autores no início e também seja objetivo na guia, execute apenas uma vez toda a música, não precisa repetir, apenas uma versão rápida, afinal, quanto mais demorada for a gravação, mais chances ela tem de não ser ouvida.

Para começar a vender suas músicas é preciso também que você tenha o contato dos artistas e seus agentes. Monte uma lista com e-mail e/ou telefone daqueles que você deseja enviar seu trabalho. Algumas bandas e cantores têm em seus sites uma forma de contato para compositores. Outros você pode conseguir com um bom networking, redes sociais, ou a ajuda de uma empresa especializada em música e gestão de carreiras.

É importante que você esteja alinhado com a primeira dica e também mantenha uma rotina de envios dessas músicas para os artistas, evitando, claro, ser inoportuno. Ah, não esqueça que você vai precisar de um bom advogado ou o suporte de alguma editora com profissionais experientes no mercado da música, para elaborar os contratos de liberação de suas composições. Afinal é sempre importante estar resguardado e tranquilo ao efetuar qualquer negócio.

 

Dica Bônus

Acredite em você, seja persistente, criativo e encontre bons parceiros para propagar sua arte.

Deixe seu comentário, e vamos musicar o mundo!

 

 

1 Comentário
  1. Matheus Lacerda

    !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *