as notícias e a opinião dos colunistas sobre o mercado sertanejo
Sertanejo News

Tudo o que você precisa saber sobre o ISRC

Colunistas João Gabriel 18 de dezembro de 2018

Tudo o que você precisa saber sobre o ISRC

Fala galera, tudo bem? Nosso primeiro bate-papo aqui no Sertanejo News vai ser sobre ISRC. Você sabe tudo o que precisa saber sobre o assunto? Vamos lá, então!

Se você, cidadão, não possui um CPF, oficialmente é um indigente. Você não existe! O que muita gente não sabe é que as músicas também precisam ter uma espécie de CPF para que possam ser identificadas: o ISRC.

ISRC é a sigla de International Standard Recording Code, ou Código de Gravação Padrão Internacional, em português. Esse código deve estar presente em todos os registros fonográficos e videofonográficos do mundo todo para que seja possível identificar todas as informações referentes àquele material.

ISRC: toda sua música resumida em um código

Quando você, músico ou banda, registra um fonograma, ali estão inseridas todas as informações sobre quem são os compositores, intérpretes, músicos acompanhantes, produtor fonográfico, e outras diversas informações.

Todas as informações da sua música estão resumidas nesse código, que será associado ao fonograma, ou seja, o arquivo digital final da sua obra, gerado pela sua gravadora ou através de uma Digital Audio Workstation. Quando a música já está devidamente gravada e está pronta para ser distribuída, está na hora de gerar o ISRC.

O ISRC é o que vai te permitir ganhar dinheiro com a execução dessa obra

O ISRC permite que sua música seja identificada pelo ECAD e, assim, você e todos que fizeram parte dela podem receber os valores referentes às execuções e distribuições dessa obra. Sem este código fica quase impossível identificar e transferir os direitos para os titulares.

Como criar o ISRC de uma música

Depois de ter sua obra gravada em formato digital, pronta pra ser distribuída e divulgada, é preciso que você seja filiado a uma das diversas associações autorais existentes no Brasil, como Abramus, UBC, Amar, dentre outras.

A sua associação deve ser filiada ao ECAD, para que possa lhe garantir o recebimento dos direitos sobre o fonograma. Além disso, é essa associação a qual você é filiado que irá conceder o acesso ao software para a geração do ISRC.

Com o software já à sua disposição você pode começar a fazer toda a inclusão dos detalhes referentes à sua música. Depois de finalizada a inclusão das informações o programa gera um código que você deve enviar para a sua associação, que informará ao ECAD e, a partir daí, suas obras já poderão receber os valores que tem direito.

Gerar ISRC pode ser complicado, mas é necessário!

Desenvolver um fonograma e enfrentar toda a burocracia para conseguir o código ISRC não é algo tão simples.

E é cada vez mais comum que músicos e bandas procurem Editoras Musicais para tirar suas dúvidas. Mas vale lembrar que o único responsável pela emissão do ISRC é o produtor fonográfico, ou seja, quem arcou com os custos daquela gravação. Somente ele fica com essa responsabilidade.

Ficou interessado? Procure uma editora para saber mais sobre o assunto, e a gente se fala na próxima semana.

E aí, vamos musicar o mundo?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *